Nas eleições a Pastoral da Criança costuma convidar os pretendentes a cargo eletivo para debater as propostas da convocação aos candidatos e assumir o compromisso com uma atuação política honesta. Neste ano vamos disponibilizar o documento somente por meio eletrônico, disponível na pagina da Internet www.pastoraldacrianca.org.br

Como é do conhecimento, a Pastoral da Criança é proibida de vincular-se a um partido político. Ela respeita as opções políticas das pessoas. Quem atua na Pastoral da Criança e pretende candidatar-se a um cargo público, deve se afastar das atividades de visita, celebração da vida e reuniões da Pastoral da Criança por um período de três meses antes da votação nas eleições, segundo nosso regimento:

Art. 46 - Quanto à participação na política partidária:

1. sigam as orientações da própria diocese;
2. quem se candidatar a cargo político eletivo não pode em sua campanha utilizar-se da Pastoral da Criança e seus recursos;
3. a partir da homologação da candidatura, o coordenador ou líder se licenciará de sua função;
4. caso seja eleito, continua licenciado, podendo permanecer como membro da equipe se não houver inconveniência;
5. não sendo eleito e não havendo inconveniência, poderá reassumir sua função.

Essa regra garante a liberdade de escolha e a independência para os candidatos, como também para os integrantes da Pastoral da Criança. A orientação é que se evite qualquer uso da Pastoral da Criança como apoio eleitoral.

Uso da imagem

A Pastoral da Criança é uma entidade suprapartidária, portanto as imagens que registram as suas atividades, parcerias e eventos não podem ser utilizadas em peças publicitárias, durante os programas do horário eleitoral gratuito, em eventuais inserções na programação televisiva, ou em qualquer publicação referente à campanha eleitoral dos candidatos. O objetivo desta orientação é preservar a posição democrática da Pastoral da Criança, cujo objetivo é, fundamentalmente, trabalhar para que todas as crianças tenham garantidos os seus direitos e a sua dignidade.

Esta orientação não se aplica nos casos de cobertura jornalística de eventos da Pastoral da Criança com os candidatos, como notícia nos meios de comunicação, e que independe dos partidos!

O uso indevido da imagem pode ser informado à coordenação de setor ou de ramo da Pastoral da Criança, e também no endereço Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Agradecemos a compreensão e nos colocamos à disposição, para trabalharmos juntos nos objetivos que nos são comuns, nessa construção de um país mais justo e fraterno à serviço da vida e esperança.

Atenciosamente,

Ir. Vera Lucia Altoé Coordenadora Nacional da Pastoral da Criança


 
 
 
 
 

Visitantes

Temos 23 visitantes e Nenhum membro online